A Hora É Agora: diga não à discriminação contra pessoas LGBT+!
O Supremo Tribunal Federal (STF) pode decidir:
a discriminação contra pessoas LGBT+ deve ser crime no Brasil?
A votação começou no dia 13 de fevereiro, foi suspensa e já tem data pra recomeçar: dia 23 de maio.
Vamos chegar a 1 milhão de assinaturas e dizer ao Supremo: A HORA É AGORA!
O Brasil já é um dos
países mais perigosos
do mundo para lésbicas, gays, bissexuais e pessoas trans. E, depois das últimas eleições, as coisas podem ficar ainda piores.
Mas, em breve, o STF pode dar um passo importante para mudar isso.
Em um julgamento que será retomado dia 23 de maio, o STF deve decidir: o Congresso brasileiro tem a obrigação de criminalizar a discriminação contra pessoas LGBT+, assim como fez com o racismo e a discriminação religiosa?
Com um presidente que prefere "um filho morto a um filho gay" e os episódios de violência contra pessoas LGBT+ aumentando pelo país, essa decisão é mais importante e urgente que nunca.
Se você também acha que já é hora de combater tanto ódio, assine a petição.
Um
Se o Congresso tem a obrigação de aprovar uma lei que criminaliza a discriminação por orientação sexual ou identidade de gênero – e em que prazo isso deve acontecer.
Dois
Se, caso o Congresso ignore esse prazo, o próprio Supremo deve considerar a orientação sexual e a identidade de gênero na lei que proíbe a discriminação por raça, cor, etnia, religião e nacionalidade.
Três
Se, enquanto não houver uma lei específica, o Estado é responsável por indenizar as vítimas de homofobia e transfobia por danos materiais, morais e estéticos.
Lançamos a campanha!
Entregamos as primeiras 200 mil assinaturas no gabinete do Presidente do STF. O julgamento foi adiado duas vezes. Fizemos um video explicando o segundo adiamento. Veja no link!
O julgamento começou no dia 13 de fevereiro. Durante quatro sessões plenárias, quatro dos 11 ministros votaram. Até agora, todos foram a favor da criminalização! O julgamento foi suspenso por questões de tempo.
O calendário atualizado de pautas foi divulgado!
O julgamento já tem data pra continuar: 23 de maio!
Se quiser receber atualizações, siga a gente no Facebook e no Instagram.

Preencha o formulário para assinar:

0 já assinaram!
Excelentíssimas Senhoras Ministras e Excelentíssimos Senhores Ministros do STF:
Nós, cidadãs e cidadãos, por meio desta petição, apoiamos o Mandado de Injunção 4733 e a Ação Direta de Inconstitucionalidade por Omissão 26, que criminalizam a discriminação por orientação sexual ou identidade de gênero no Brasil.
A violência contra pessoas LGBT+ em nosso país é um desafio que precisa ser enfrentado com urgência.
Diante de ineficiência dos instrumentos existentes e da paralisia do Congresso Nacional em responder a essa situação, uma decisão favorável do STF nesse sentido vai impactar - e até mesmo salvar – as vidas de milhares de pessoas.
*****

Ao clicar no botão ASSINAR, você concorda em receber e-mails sobre atualizações de campanha, pesquisas, petições e pedidos de doação da All Out, como descrito na nossa política de privacidade. Você tem o direito de se descadastrar a qualquer momento.

Algumas dúvidas comuns
Esse julgamento não estava marcado pra novembro de 2018?
Sim. O julgamento estava marcado originalmente para o dia 14 de novembro. Essa data já foi alterada duas vezes, por motivos diferentes. Para saber mais sobre o primeiro adiamento, clique aqui. Se quiser informações sobre o segundo adiamento, clique aqui. Ainda em dezembro de 2018, o julgamento foi remarcado para 13 de fevereiro de 2019 e começou nessa data. Depois de 4 sessões ele foi suspenso, mas já tem data pra continuar: 23 de maio de 2019.
Já não existe uma lei que proíbe a discriminação?
Existem algumas leis para combater a discriminação. Em nível federal, a Lei 7.716 proíbe várias formas de discriminação motivadas por raça, cor, etnia, religião ou nacionalidade. Uma das decisões que o Supremo deve tomar é se a orientação sexual ou a identidade de gênero devem ser consideradas dentro dessa lei. Leis que protegem pessoas LGBT+ contra a discriminação existem em apenas alguns estados e municípios, são bem diferentes entre si e não têm se mostrado suficientes.
Que tipo de violência essa decisão ajudaria a combater?
A lei que já existe proíbe uma série de coisas, como incitar a discriminação e o preconceito, discriminar alguém no ambiente de trabalho, impedir o acesso de alguém a um serviço, etc. Uma decisão favorável do Supremo nesse caso poderia estender essas proteções a pessoas LGBT+ ou abrir caminho pra uma nova lei, que inclua alguns ou todos esses casos. Um ponto que não está na lei atual são os discursos de ódio… Ainda assim, uma decisão favorável do Supremo ajudaria – e muito – a combater essa prática.
Por que as pessoas LGBT+ precisam de proteção especial se todo mundo sofre violência? Isso não seria um privilégio?
É verdade que todo mundo sofre violência. As pessoas LGBT+, porém, sofrem uma série de violências que são motivadas justamente por elas serem LGBT+. Dificilmente alguém apanharia na rua ou seria proibido de entrar num restaurante por estar de mãos dadas com alguém do gênero oposto. São violências desse tipo que uma lei pode ajudar a combater. Da mesma forma que a lei proíbe discriminar alguém por causa da sua religião - e isso não é considerado um privilégio -, garantir que ninguém seja discriminado por sua orientação sexual ou identidade de gênero também não é.
Com uma decisão favorável no Supremo, quem discriminar pessoas LGBT+ vai pra cadeia?
Depende da decisão. A lei que existe hoje prevê, sim, pena de prisão em alguns casos – embora, na maioria deles, ela seja substituída por penas alternativas, como serviços comunitários e pagamento de multas. Se o Supremo considerar a orientação sexual e a identidade de gênero parte dessa lei, as mesmas penas serão aplicadas. Se o Supremo decidir que o Congresso deve criar uma nova lei, as penas serão definidas na elaboração dessa lei.
Não seria melhor uma lei que evitasse mandar mais gente pra cadeia?
A gente acha que sim – e essa discussão vai acontecer caso o Supremo decida que o Congresso deve criar uma nova lei. Nós acreditamos que penas alternativas funcionam melhor no combate a todo tipo de discriminação. Por outro lado, sem mudanças mais amplas na lei, existe o risco de "hierarquizar" discriminações, como se algumas delas fossem mais graves que outras.
Quem está fazendo essa campanha acontecer?
ABGLT  All Out
Beta    GADvS